ACESSAR MEU PERFIL
CLIQUE AQUI PARA SE CADASTRAR ENTRAR COM FACEBOOK

Solicitar uma nova senha

Ninguém gosta de começar o ano cheio de dívida, né? Nem eu, nem você, ninguém. Para evitar dor de cabeça e não ficar no vermelho, o ideal é se planejar o quanto antes, principalmente porque no início de cada ano sempre “surgem” os tradicionais gastos com viagens, IPTU, IPVA, matrícula e material escolar dos filhos, por exemplo.


É tanta conta para pagar que a gente até se perde!
😮 

Preparamos um guia para você não entrar em 2019 com o pé esquerdo ou, pior, com a conta no negativo:

  1. Faça uma avaliação financeira

Quanto mais cedo, melhor. Monte um orçamento pessoal ou familiar com todos os gastos (contas, alimentação etc.) e todas as fontes de renda (salário, aluguéis etc.). Pode usar aplicativo, planilha no computador ou um caderninho. O mais importante é saber o destino da grana, ou seja, para onde seu dinheiro está indo. Extratos bancários e faturas de cartão de crédito de 2018 e de outros anos podem ajudar nessa radiografia.

Uma opção é dividir as despesas em duas categorias: aquelas com frequência mensal, como contas de consumo (água, luz, telefone, aluguel etc.) e aquelas que ocorrem uma vez por ano, por exemplo, IPTU, IPVA, viagens e matrícula da escola dos filhos.

  1. Pagar à vista pode render desconto

Para esses gastos que “chegam” em janeiro, planejadores financeiros indicam fazer uma estimativa de quanto você precisaria guardar mensalmente para poder pagar à vista. Além disso, no caso dos impostos, vale a pena comparar as condições de pagamento: à vista pode render desconto. Faça as contas.

 

  1. Corte gastos se for preciso

Xi, fez as contas, montou o orçamento direitinho e, mesmo assim, continua no vermelho? Talvez seja o caso de, logo no começo do ano, rever o custo de vida. Ou seja, busque despesas que você possa abrir mão, aquelas que realmente não vão fazer falta. Obviamente que não precisa sair cortando tudo o que você gosta e nem perder qualidade de vida. Equilíbrio é fundamental.

 

  1. Ficou com dívida? Conheça o tamanho da encrenca

Mesmo com todo esforço, não teve jeito e acabou se endividando? Para sair dessa situação, o primeiro passo é conhecer o tamanho do buraco. Busque as informações sobre as dívidas, como valor total, incluindo juros, encargos financeiros, multas (tudo!), prazo, nome do credor (banco, financeira, lojas etc.). Faça a lista detalhada das dívidas. Isso vai ajudar a ir atrás de uma negociação, por exemplo.

 

  1. Troque uma dívida cara por uma mais barata

Entrou no cheque especial ou rotativo do cartão de crédito? Calma, não fique em pânico. Como essas modalidades têm juros altos, a recomendação é trocá-las por um crédito mais barato. Busque um empréstimo com juros mais baixos. Quem é funcionário público tem acesso ao crédito consignado, linha com juros menores. Se você trabalha em empresa privada, veja se a sua companhia tem convênio com algum banco para consignado. Mas lembre-se, em todas as situações, de comparar as condições (prazo, juros e valor das parcelas) antes de contratar qualquer tipo de empréstimo.

 

  1. Monte o planejamento para 2019

Agora que você fez a lição de casa, é hora de montar o planejamento financeiro para o novo ano. Para não se endividar no começo de 2020, volte ao primeiro passo e monte um orçamento. Tente acompanhar as despesas e as receitas todo mês. Assim, fica mais fácil de não se perder ao longo do ano.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários, não expressando, assim, a opinião do Como Investir. Para mais informações, consulte os Termos e Condições de Uso.