ACESSAR MEU PERFIL
CLIQUE AQUI PARA SE CADASTRAR ENTRAR COM FACEBOOK

Solicitar uma nova senha

Se você cansou de ver a Copa do Mundo pela TV e deseja torcer pela seleção brasileira ao vivo está na hora de começar a se planejar para a próxima disputa, que será no Catar, em 2022. Com planejamento e disciplina, é possível participar do maior campeonato mundial de futebol e torcer pelo aguardado hexa a partir de R$ 180 por mês.

Para começar, é preciso considerar qual o tipo de viagem você deseja e, principalmente, quantos jogos pretende assistir. Os argentinos, por exemplo, geralmente são vistos às portas dos supermercados comendo um pão de forma com frios, refrigerante e iogurte recém-comprados. Os brasileiros, de forma geral, se tornam habitués de fast-food, mas há aqueles que não dispensam uma refeição completa.

Na capital do país, Doha, os preços da alimentação não diferem muito de outras cidades internacionais, como Paris e Londres.  Um lanche no McDonald’s, por exemplo, custa US$ 7, o mesmo preço de uma refeição de um restaurante barato. Já o almoço para duas pessoas com dois pratos e sobremesa fica em torno de US$ 45. A má notícia é que embora os turistas sejam autorizados a consumir bebidas alcoólicas – os muçulmanos são terminantemente proibidos de adquirir ou consumir – os preços não são convidativos. Uma long neck pode chegar a custar 50 qatari ryal, a moeda local, o que dá R$ 45.

 

Tamo chegando, Catar!

 

Definindo seu desejo

Embora os pacotes de viagens para a Copa do Catar ainda não estejam à venda, você pode avaliar que tipo de viagem pretende fazer para começar a se planejar e levantar os preços atuais para ter uma estimativa. Claro que durante a Copa alguns valores estarão mais salgados, mas você deverá comprar os itens mais caros da viagem – como reserva de acomodação, ingressos para os jogos e passagem aérea – bem antes. Pelo menos um ano.

Para ajudar você a se planejar, selecionamos três perfis distintos de viajantes. Veja o que tem mais a sua cara:

O econômico

Você vai alugar um quatro ou apartamento ou ainda buscar um hostel para uma viagem de oito dias, que é a média que muitos turistas estrangeiros permanecem nas Copas. Vai assistir a dois jogos nas oitavas de final na categoria 1 (a mais barata) e gastar US$ 30, em média,  para se alimentar por dia. Outros US$ 30 serão separados por dia para imprevistos, passeios e transporte.

O moderado

Viagem de 15 dias e presença em cinco partidas em um lugar mais caprichado. Estadia em um hotel mais simples ou um quarto/ apartamento melhor localizado e confortável. Com US$ 60 por dia, dá para fazer duas refeições com dois pratos e sobremesa.

O entusiasta

Embora o céu seja o limite para gastos, orçamos 30 dias de viagem em um hotel três estrelas e participação em 15 jogos com lugares de destaque no estádio. Com US$ 100 por dia para refeições, é possível aproveitar a culinária local com tranquilidade.

 

 

Curtindo a copa em grande estilo.

 

Imprevistos

Os gastos para imprevistos são relevantes, já que eles sempre acontecem. O torcedor Theo Saad, por exemplo, lembra que precisou comprar uma passagem aérea para assistir ao jogo entre Brasil e México nas oitavas de final da Rússia e, por isso, gastou R$ 3 mil que não havia planejado.

Ao mesmo tempo, havia orçado gastar US$ 80 por dia – incluindo alimentação – e foram apenas U$ 60, já que um kebab na rua custava U$ 2. No final, passou 25 dias na Rússia, assistiu a 15 jogos em cinco cidades e gastou cerca de R$ 22 mil, sendo que a hospedagem ocorreu em um hostel.

Estratégia

Para o planejador financeiro pessoal Caco Santos, a melhor estratégia para economizar para uma viagem ao exterior é buscar uma aplicação em dólar. No caso do perfil de Torcedor Entusiasta, seria necessário poupar US$ 263 por mês (em reais) até que o volume seja suficiente para uma aplicação em um fundo cambial. “Dessa forma, o investidor fica blindado para a oscilação da moeda”, diz.

O planejador destaca que os maiores gastos da viagem, apesar de dolarizados, serão pagos em reais – como hotel, passagem e ingressos para os jogos – e que a compra de dólares em moeda é vantajosa apenas quando o volume comprado é significativo, diante das taxas fixas para transação, independente da quantidade de dólares comprados.

Como os fundos cambiais exigem aplicação mínima de R$ 1 mil, a estratégia seria aplicar em um fundo atrelado à variação do DI até obter o volume suficiente para a transferência para um fundo cambial.

Ele ressalta ainda que a estratégia deve ser revista de três em três meses e, principalmente, cerca de um ano antes da Copa, quando o turista já deverá pesquisar intensamente as passagens aéreas e opções de hospedagem. Afinal, deixar para a última hora é decepção e prejuízo, com certeza.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários, não expressando, assim, a opinião do Como Investir. Para mais informações, consulte os Termos e Condições de Uso.