ACESSAR MEU PERFIL
CLIQUE AQUI PARA SE CADASTRAR ENTRAR COM FACEBOOK

Solicitar uma nova senha

A taxa Selic caiu de novo! Com 6,5% ao ano, é hora de repensar se a poupança é o melhor investimento para você. A taxa de juros é a taxa básica da nossa economia, isto é, serve de referência para tudo: empréstimos, financiamentos, investimentos… então todo investidor deve ficar de olho na famosa Selic.

Se você tem um dinheiro na poupança ou pretende investir, é hora de refletir sobre seus objetivos e analisar se vale a pena manter ou partir para outros investimentos. Confira abaixo alguns pontos para tomar sua decisão.

O rendimento dos produtos de renda fixa caiu

Quando a Selic cai, os rendimentos dos produtos de renda fixa, como CDB, fundos de renda fixa e poupança, acompanham a queda, já que a maioria deles é atrelado à taxa de juros. Não tem escapatória: precisamos nos preparar para ver o dinheiro guardado render um pouco menos. Na poupança, tem mais um detalhe: se a Selic está igual ou menor que 8,5%, como agora, tem o que chamamos de gatilho. O rendimento passa a ser de 70% da Selic mais a TR (taxa calculada pelo Banco Central). Isso faz com que o ganho seja ainda menor para quem aplicou o dinheiro após 3 de maio de 2012, quando a nova regra foi criada.

Arriscar pode ser a saída

Do outro lado, os produtos com um pouco mais de risco, que não são atrelados à Selic, se tornam mais atrativos. Risco não necessariamente é tirar todo seu dinheiro da poupança e investir em ações. Tudo depende do seu ponto de partida. Se você só tem dinheiro na poupança, não precisa arriscar tanto para conseguir rendimentos maiores. Pode optar, por exemplo, por títulos públicos, fundos de renda fixa (desde que a taxa de administração seja baixa) e até CDBs (aqueles que paguem um bom percentual do CDI, indicador desse tipo de produto). São aplicações conservadoras, mas que já oferecerem uma rentabilidade um pouco melhor que a da poupança.

Olhe ao redor

Se você já aplica em algumas dessas opções, o passo seguinte pode ser olhar outros produtos ou até mesmo outras instituições que podem ofertar os mesmos produtos com melhores rendimentos ou taxas de administração, no caso dos fundos, menores. Os fundos multimercados também são um passo na direção de aplicações mais sofisticadas: eles misturam papéis de renda fixa e de renda variável em suas carteiras. Outra opção podem ser títulos públicos com prazos mais longos. Você corre um pouco mais de risco pelo fato de que demorará mais para ter seu dinheiro de volta, se optar por esperar até o vencimento do papel: como mais coisas podem acontecer num prazo mais longo, o risco é maior. Prefere algo mais arrojado? Pode escolher fundos de ações ou até as próprias ações.

Pense nos seus objetivos

Por que você guarda dinheiro? Por melhor que seja um investimento, ele pode até ser bom para o seu perfil, mas não para o seu momento de vida. Por exemplo, se você tem 30 anos e está guardando dinheiro para se aposentar, pode querer aplicar  em produtos mais arriscados, que necessitam de mais prazo para entregarem boas rentabilidades. Mas se, com a mesma idade, você vai utilizar o dinheiro para tirar um ano sabático daqui a 18 meses, não vale a pena investir no mesmo produto.

Os prazos e os objetivos devem ser levados em conta sempre! Dependendo da sua meta e do tempo para alcançá-la, mesmo a poupança pode ser uma boa alternativa. Só não se esqueça de uma coisa: até a poupança tem regrinhas para resgatar o dinheiro. O rendimento é pago mensalmente, sempre na data em que o depósito foi feito. Isso quer dizer que, caso saque antes, perde tudo o que ganhou.

Diversifique sempre!

Não precisa aplicar seu dinheiro apenas em produtos conservadores ou só nos arriscados. O ideal é sempre diversificar. O ditado popular “não coloque todos os ovos na mesa cesta” é regra de ouro para o mundo dos investimentos. Você não deve arriscar todo o seu pé de meia colocando em uma única  aplicação. Dê um passo de cada vez, lembre-se de que, para cada objetivo, há uma recomendação e peça ajuda a um especialista se estiver em dúvida antes de tomar qualquer decisão importante. Além disto, você sempre deve ter uma reserva de emergência e ela deve estar em um produto conservador que você possa tirar a qualquer momento.

 

LEIA TAMBÉM:

Quanto custa investir em um fundo?

Seguro de vida é para você?

4 dicas para você driblar o impulso de comprar

Seja o primeiro a comentar

Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários, não expressando, assim, a opinião do Como Investir. Para mais informações, consulte os Termos e Condições de Uso.