ACESSAR MEU PERFIL
CLIQUE AQUI PARA SE CADASTRAR ENTRAR COM FACEBOOK

Solicitar uma nova senha

Acho que todo mundo já ficou em dúvida na hora de escolher entre um investimento e outro. É como ir ao supermercado e não saber se compra o chocolate amargo ou o ao leite. Brincadeiras à parte, algumas aplicações de renda fixa têm muitas semelhanças entre si.

Para ajudá-lo, vamos fazer uma comparação entre investimentos, começando com CDB e títulos públicos. Se ambos estivessem em uma batalha, quem levaria a melhor? Você quem decide. Agora acompanhe essa “luta”:

CDB (Certificado de Depósito Bancário)

O que é: título emitido pelos bancos para captar recursos. Você “empresta” dinheiro aos bancos que, em contrapartida, devolvem a quantia aplicada com uma remuneração, conforme o prazo do vencimento do título.

Opções:
– Pós-fixado:
rentabilidade atrelada a algum tipo de índice ou indicador, por exemplo, o CDI (referencial para aplicações de renda fixa conservadoras) ou Selic (taxa básica de juros).

– Prefixado: remuneração definida no momento da aplicação.

CARACTERÍSTICAS

– Fácil de encontrar? SIM. Pode ser acessado em grandes bancos, mas também em instituições financeiras de pequeno e médio porte, comprado diretamente, ou por meio de corretoras e distribuidoras;

– Acessível? SIM. Valor mínimo de aplicação costuma ser baixo. Em alguns casos, é possível investir em CDB a partir de 100 reais ou 1.000 reais, por exemplo.

– Dá para sacar a qualquer momento? SIM. É possível encontrar papéis com liquidez diária.

– Diferentes prazos? SIM. Há títulos com prazos de três ou seis meses até vencimentos mais longos. O prazo varia conforme a instituição.

– Tem garantia? SIM. Conta com a cobertura do FGC (Fundo Garantidor de Créditos). Caso o banco deixe de te pagar, o FGC devolve o dinheiro aplicado até R$ 250 mil por investidor e por instituição, com um limite de R$ 1 milhão para cada investidor por um período de quatro anos. Mas atenção: a garantia é limitada.

– Tem imposto? SIM. Há cobrança de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), caso resgate a aplicação em menos de 30 dias. Também há incidência de IR (Imposto de Renda), conforme a tabela regressiva (22,5% a 15%, para aplicações com prazo acima de 720 dias).

– Tem taxas? NÃO. Em geral, não há taxas para investir em CDB. Em alguns casos, corretoras ou distribuidoras podem cobrar taxa de custódia (percentual pelo serviço de guarda do dinheiro aplicado), mas normalmente não há esse custo.
Títulos públicos

O que é: título emitido pelo governo federal para financiar a dívida pública. Na prática, você “empresta” dinheiro ao Tesouro Nacional que, em contrapartida, devolve a quantia aplicada com uma remuneração, conforme o prazo do vencimento do título.

Opções:
– Pós-fixado:
rentabilidade atrelada à taxa básica de juros (Selic);

– Prefixado: remuneração definida no momento da aplicação;

– Indexado à inflação: rentabilidade real, ou seja, acima da inflação no período. Caso você mantenha o produto até a data de vencimento, receberá a variação do IPCA no período mais a taxa de juros do momento da compra do título.

CARACTERÍSTICAS

– Fácil de encontrar? SIM. Pode ser acessado facilmente em corretoras de grandes bancos, assim como corretoras independentes. No site do Tesouro Direto, há uma lista das instituições habilitadas a operar com títulos públicos.

– Acessível? SIM. Valor mínimo de aplicação de 30 reais.

– Dá para sacar a qualquer momento? SIM. Todos os títulos públicos têm liquidez diária.

– Diferentes prazos? SIM. Há papéis que vencem em 2021, assim como alguns com vencimento em 2035, 2045 e 2050, por exemplo.

– Tem garantia? SIM. Conta com a garantia do Tesouro Nacional.

– Tem imposto? SIM. Há cobrança de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), caso resgate a aplicação em menos de 30 dias. Também há incidência de IR (Imposto de Renda), conforme a tabela regressiva (22,5% a 15%, para aplicações com prazo acima de 720 dias).

– Tem taxas? SIM. Há dois custos: taxa de custódia de 0,30% ao ano sobre o valor do título, percentual referente a serviços de guarda (custódia) dos papéis, cobrada pela B3, assim como taxa de administração, cobrada pelas corretoras (muitas instituições têm taxa zero).

 

Leia também:

Como escolher uma instituição para investir

Você sabe o que é crédito privado?

Seja o primeiro a comentar

Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários, não expressando, assim, a opinião do Como Investir. Para mais informações, consulte os Termos e Condições de Uso.